Parceria histórica levará a tecnologia ao produtor rural para melhorar a produção

 

Foi selada em Santa Rita do Sapucaí, no Sul de Minas, uma parceria que promete levar a revolução tecnológica para o campo a um novo nível. A Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (Epamig) e o Instituto Nacional de Telecomunicações, (Inatel) assinaram um termo de cooperação para levar tecnologia de vanguarda aos produtores rurais. 

O documento, que formalizou o acordo, foi assinado pela presidente da Epamig, Nilda de Fátima Ferreira Soares, e pelo diretor do Inatel, Carlos Nazareth Marins na sede do Instituto na manhã de quarta-feira, (29/06).

"É uma parceria histórica. Eu tenho certeza que o Inatel junto com a Epamig vão poder juntar tecnologia agrícola, pecuária com as necessidades de conexão do homem do campo", projeta Marins. 

A palavra histórica foi proferida algumas vezes no evento, que reuniu professores, pesquisadores e representantes da comunidade. O prefeito de Santa Rita do Sapucaí, Wander Wilson, e o deputado Dalmo Ribeiro, responsável por fazer a ponte entre as instituições também estiveram presentes. Os políticos não contiveram o entusiasmo. 

"A ideia é reunir toda a pesquisa e conhecimento que essas grandes instituições possuem na agricultura e na tecnologia para alavancar a produção rural de nossa região e de todo o estado. Não tenho dúvidas de que este encontro é o início de uma parceria que vai fazer história e ajudar a preparar um grande futuro", prevê o deputado Dalmo Ribeiro. 

Para alimentar o mundo, o Brasil precisa de tecnologia

A presidente da Epamig destacou a importância da pesquisa no desenvolvimento de técnicas agrícolas que multiplicaram a capacidade da produção agrícola no Brasil. Mas ela observa que é preciso avançar mais. 

"O Brasil vai ser responsável por alimentar 40% do mundo, vamos precisar aumentar a produtividade. A tecnologia será fundamental no processo", pontua. 

Tecnologia 6G

Enquanto o Brasil engatinha para implantar a rede 5G, em Santa Rita do Sapucaí, os laboratórios de inovação tecnológica já trabalham com a rede de nova geração, a 6G. O instituto aperfeiçoa a tecnologia em parceria com universidades dos EUA, Inglaterra e outros. 

É nesse contexto de vanguarda tecnológica que os pesquisadores esperam promover o encontro entre agricultura e alta tecnologia. 

"A rede 6G não vai ser só baseada em comunicação, mas ela vai trazer também o uso de imagem, o uso de sensoriamento, o uso de processamento inteligente e também a questão do posicionamento e mapeamento para dentro do contexto de comunicação móvel. Ela vai ser uma rede que vai integrar de forma transparente os mundos digitais, o físico e o biológico em um ecossistema que a gente vai poder interagir com os dispositivos reais e virtuais de forma muito mais transparente do que a gente faz hoje", explicou o professor Luciano Leonel Mendes, coordenador de pesquisa do Centro de Referência em Radiocomunicações do Inatel. 

Para além desses avanços previstos para as próximas décadas, parte da tecnologia em desenvolvimento poderá ser aplicada no campo antes mesmo de chegar ao mercado comum.